segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Fui contaminado... tenho Preguicite A (A de aguda)

E o rescaldo bttistico para mim foi.... ficar na caminha, no quentinho!
Fui atacado por esse novo virus que anda por aí: Preguicite A (A de aguda...eheheh)
Epá às 8h chovia que se fartava e depois por acaso até parou e sei que há malta que foi andar.... mas depois de ver tudo oi que tinha chovido e como tenho andado um pouco engripado tive receio que ficasse pior e optei por ir mais tarde. O problema é que às 10H ainda chovia mais!
Fiquei em casa e lá se foi a voltinha do fim de semana.
Era para colocar aqui uma foto de mim na cama mas poderia ferir a susceptibilidade dos mais fracos e como fracos é o que mais temos.... seria catastrófico...ahahah

E o resto da malta, quem foi andar?

PS: sou bem capaz de ir andar é amanhã (feriado 1 dezembro). Vou dar a volta rápida de St Estevão, por isso vou às 10h passo na Esteveira para ver se mais alguém quer ir. Isto se não estiver a chover.

Abraço,
DCB

domingo, 22 de novembro de 2009

Trilhos, Tralhos, furos, lama e outros azares

Pessoal, esta é a minha versão da prova da Arepa neste passado dia 22 Nov. Participaram 11 bttistas do CBTT TL na prova. Apenas 4 estavam inscritos para os 76kms. De salientar que o Fernando Ferreira fez anos nesse dia mas nós só soubemos quando o organizador ao micro o disse para toda a malta ouvir e cantar os parabéns. Nem um bolinho ele trouxe!!!
Eu comecei a prova logo com um atraso de 5 minutos pois à ultima da hora algo em mim estava mal... estava podre… estava a mais! É verdade tive que fazer mais uma retirada rápida ao wc para largar cerca de 500 a 550g de material orgânico. Desta feita não posso precisar exactamente o peso certo da dita pois não tinha comigo a balança da cozinha!! Ehehe. Bom, mas já atrasado disse a alguns membros da organização que ainda os ia apanhar… e não é que os apanhei mesmo logo passados 2kms. Mas pela pior das razões: é que o Pedro Romão numa iniciativa arrojada de marketing para promover a sua nova loja decidiu sofrer uma grande queda ainda no alcatrão em frente ao Modelo. Havia uns separadores de plástico nas bermas e o pelotão teve que afunilar e outro bttista atravessou-se na sua frente e o Pedro voou por cima da bike e caiu em cima da roda dianteira. Partiu uma costela e fez uns bons arranhões mas já está em casa não houve mais complicações até ao momento. A malta do CBTT TL ficou lá com ele até chegar o INEM e só saímos quando partiu a ambulância. Ficámos muito assustados e afectados pois o aparato foi grande e as queixas também. Lá partimos 30 min depois, nas calmas e já muito atrasados para o pelotão. Depois logo no inicio o Fernando Costa furou, remendou mas passado 1km tivemos que parar de novo pois o pneu estava em baixo. Bem… depois foi sempre a apanhar mais furos, malta sem câmara de ar suplente, sem bomba , sem chaves, sem conhecimentos nenhuns do que é o BTT…enfim!! Ainda apanhámos as vacas e as crias mesmo no meio da estrada e eu e o Fernando é que tivemos lá a afugenta-las pois vinha mais malta atrás e poderia surgir alguma complicação. E pelo menos eu e o Fernando abdicámos completamente de tentar um bom tempo e viemos tranquilos até ao fim e fizemos apenas os 38kms e chegámos nos ultimos. Destaco ainda que a mais de meio da 1ª dos 38kms fomos ultrapassados pelo 1º classificado dos 76kms. Mas como estava fresco fiz os restantes kms com ele e ultrapassei-o mesmo e fui uns 2-3 kms à frente dele. O homem estava assustadíssimo e baralhado pois pensava que eu é que era o 1º e ele o 2º. Iamos a 22-24kms, naõ muito! Lá o tranquilizei e no alcatrão ele passou. Mas foi giro a malta na estrada e da organização a ver-me na frente da prova e a incentivar-me a pensar que ia a discutir a liderança…eheheh! Bom… nem sei a classificação da malta mas sei que o único que fez os 76kms foi o Sr Domingos que fez um bom tempo. O Bruno também fez uma boa recuperação. Ao almoço fui apenas eu, o Sérgio (que foi ajudar a organização) e a malta da Delegação de Lisboa. O almoço foi no centro social e estava muito bom (caldo verde, frango guisado com arroz, sobremesa, café). De resto o percurso até era bom e estava muito bem marcado mas como choveu no dia antes tinha zonas de muita lama, quase intransitáveis e evitáveis. A zona de regresso ao lado da estrada nacional estava do piorio. Também a evitar eram aqueles separadores de plástico ao inicio quando a malta ainda vai em pelotão… é que afunila e há mais probabilidades de acidente. Em resumo, se não houvesse tanta lama e se o Pedro Romão não caísse teria sido uma prova muito boa.
Abraço e melhoras rápidas para o Pedro.

DCB

domingo, 15 de novembro de 2009

Treino de Veteranos C

Este Domingo (15 Nov) pelas 8:45, num acto de boa fé e solidariedade eu e o Bruno V. fomos levar os "cotas" a passear (Zé Carlos, Sr Domingos e Carlos Fernandes). Num acumulado de idade na ordem dos 1.645 anos (eheheh). O problema é que este acto de bondade e reconhecimento para com os mais velhos revelou-se trágico...para a minha pessoa! É que os "cotas" andam malucos e deram-me uma valente "tareia" e só com muito custo cheguei ao fim!!! Está certo que foram 76kms sempre a andar bem, também está certo que me deitei tardissimo na noite anterior, e por fim carreguei toda a volta com um peso de cerca de 856 gramas de matéria consistente (a chamada MERDA, mesmo...) que me dificultou seriamente a mobilidade e só em casa me consegui livrar dela. Ufff.














Fomos até à Mata do Duque mas antes passámos pelo Açude dos Foros de Almada e depois demos a volta maior lá dentro. Pela 1ª vez encontrámos lá caçadores que estavam na zona da Mata do Duque onde ainda não há quaisquer casas, a parte mais afastada. No regresso ainda fizemos um single-track e destaco a insubordinação inadmissível do Zé Carlos que não queria fazer essa parte não acatando as indicações do Presidente e não confiando nas capacidades deste. Mas porquê?? …. Porque é que toda a gente pensa que é para fazer mais 20-30 kms ou passar em zonas muito complicadas?!?!? Quando é que isso aconteceu, ein?? Só por causa das coisas até foi mesmo só um desvio de 2-3 kms e até foi porreiro!














Chegámos a Samora perto das 12:15 sem qualquer lama, com 76kms nas pernas e com mais uma lição de preparação do escalão Veteranos C do CBTT TL. Foi um belo passeio!

Abraço,

DCB

Mr. MAGOO

Olá amigos,

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

O que é? Pensam que estou louco é? Vejam lá se tratam o Vice-presidente com mais respeito, tá? Mais á frente vão perceber o porquê do meu grito de horror! Neste momento ainda estou em convalescência, eh, eh, eh!
Esta crónica até que poderia ter vários outros títulos, tais como: "O Tornado", "O traidor", "O Marquês de Sade", etc, etc, etc, mas decidi-me por "Mr. Magoo"!
E agora perguntam vocês: -E porquê?- Porque, neste Domingo decidi fazer estrada, em sinal de solidariedade para com o nosso amigo Magoo, ups, quero dizer Galamba, Magoo Galamba.......... fonix, não é nada disto que eu queria dizer, a solidariedade é para com o nosso amigo Carlos Galamba, assim é que é, eh, eh, eh!

Pois é, meus amigos. Acontece que o homem teve que ir andar sem as suas lentes de contacto, pelo que quase parecia um rato cego e eu fui fazer de guia para ele não cair em nenhum buraco, e também para não se perder, não fosse o homem ir "parar" a Marrocos, eh, eh, eh.
O local de partida combinado era frente à Torre, onde fomos visitados pelo grande Zé Carlos, que decidiu ir com o restante pessoal fazer BTT.
Começámos a andar e eis que surge o imprevisto! Não é que naquele preciso momento "decidi" abortar uma volta até St. Estêvão de 50 Km, solicitada pelo Galamba previamente?
Há coisas fantásticas não há? E não é que também nesse preciso momento senti o chamamento da serra? Uuuuuu, medo!

Como sei que o Galamba é um tipo porreiro e que não vira nunca a cara à luta, lá o convenci a seguirmos via recta do Cabo. Nesse mesmo momento dissemos adeus ao Carlos Fernandes que se cruzou de carro connosco. Vinha de V.F.Xira, ao encontro dos restantes bttistas na Esteveira.
O vento soprava violentamente, mas era a favor, pelo que fizemos a recta a cerca de 30 Km/h, sem esforço.
Chegados a V.F.Xira, sugeri-lhe que seguíssemos em direcção ao Carregado de onde seguiríamos para a Arruda pelos Cadafais, mas uma vez mais alterei os planos e pensei efectuar um percurso "alternativo". No Carregado virámos em direcção a Santana da Carnota, mas pelo meio fizemos alguma subidas "maradas" que íamos encontrando.Virámos para uma aldeia minúscula chamada Canhestro onde fizemos subidas e mais subidas até Santana da Carnota.

Daí seguimos para Cruz do vento onde nos aguardava outra subida, mas desta vez estávamos completamente expostos ao vento fortíssimo que "batia" de frente e ficamos esclarecidíssimos em relação ao nome daquele lugar, dassss! Ainda por cima, como estávamos a seguir apenas o meu sentido de orientação, decidi acelerar para tentar "apanhar" um outro ciclista que seguia mais à frente para lhe pedir informações.
Era um membro da equipa de ciclismo de Santana da Carnota que por ali andava a treinar. Dois dedos de conversa e chega o Galamba já todo f#d!d*, eh, eh, eh, eh....
Por esta altura comecei a temer pela minha integridade física e tomei as devidas precauções em relação ao Galamba, mantendo alguma distância, eh, eh, eh.
A coisa estava mesmo feia, pois até a descer custava e acho que ele já devia estar a pensar num plano maquiavélico para me empurrar por uma ribanceira abaixo quando não estivesse ninguém a ver, eh, eh, eh!

Na foto seguinte já se vislumbrava finalmente a Arruda-dos-vinhos. Quando tirei esta foto passou um Zuca de chinelinho e sem peúguitos. Estes Zucas vêm programados para o Sol e não há nada a fazer. Mesmo que chova, como era o caso!

Chegámos finalmente à Arruda com uns valentes Km´s a mais e também umas 400 subidas que não estavam nos nossos planos. Sim é verdade, a coisa descontrolou-se de tal forma que até eu já estava farto daquilo e começava a sofrer, porque vinha de uma paragem de duas semanas e como a volta não estava planeada assim, nem eu nem o Galamba, trazíamos abastecimento! Seguimos depois por S. João-dos-Montes até à Alhandra, onde existe uma descida, efectuada normalmente a 60 ou 70 Km/h, mas que por culpa do intenso vento não conseguíamos passar dos 35 Km/h (!!!??). Prosseguimos pela nova ciclovia até V.F.Xira.

Na foto seguinte, conseguimos facilmente verificar o verdadeiro "estado de espírito" do homem!
Era do tipo: "Ah! se eu pudesse mandava já o Vice para dentro do Tejo, para ser devorado pelas enguias, mas tenho de resistir pois estão aqui muitas testemunhas oculares, grrr!"

O Galamba até que me devia estar agradecido, pois preocupado com o seu bem-estar, até o levei de elevador, eh, eh!

Let´s look at the trailler....

video

Depois meus amigos, veio o esperado pesadelo na Lezíria. O vento era ciclónico (não estou a exagerar) e era contra. O Galamba acabava de dar o estoiro, de tal forma que tive de efectuar toda a recta do Cabo a empurrar o homem. Como consequência, também eu dei o estoiro no Porto Alto, mas pelo menos o Galamba já estava "entregue". Na ponte do Porto Alto tornámo-nos a cruzar com o Carlos Fernandes.
Arrastei-me então até Samora, perfazendo uns magníficos 72 Km´s efectuados em 4 horas!!!???

Por hoje é tudo, vou telefonar ao Galamba para saber se ainda está ligado ao tripé de soro, eh, eh, eh!

Fui.....

Charbel

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Volta de 8 Nov 09

by Paulo Vasconcelos

De acordo com a convocatória do Vice-Presidente para nos encontrarmos na Esteveira às 8h00 em ponto, meti-me a caminho para dar com o Gomes Fernandes já na Esteveira a equipar-se para a volta.A falar sobre se o resto do pessoal se iria baldar ou não, e que o Charbel até costuma ser pontual, ele recebeu um SMS do próprio Vice-Presidente a informar que não ia... A noite deve ter feito os seus estragos... Não vem mais ninguém, pensámos nós.Quando estávamos a decidir em cada um voltar mas é para o quentinho da cama, lá apareceram o Galambas e o Miguel Paiva. Menos mal, já temos quorum.Decidimos ir circular para Belmonte. Foram 40km onde eu e o Galambas tivémos alguma dificuldade em acompanhar o Gomes e o Miguel que iam em amena cavaqueira lá à frente e sem sinais evidentes de esforço. É a falta de treino. Eu com 2 fins de semana em atraso e o Galambas com 1.Enquanto nos esforçávamos numa subida, o Miguel andava para baixo e para cima como se o mundo fosse todo plano. Aquele homem não pára!Foi um trajecto variado com bastantes subidas escorregadias por causa da chuva, algumas partes mais rolantes e ainda algumas descidas interessantes, algumas parte do trajecto do futuro passeio da AREPA.Encontrámos bastantes caçadores na zona não muito satisfeitos com o tempo. Quando começou a chover mais a sério foi a debandada.Espero ter agradado com esta minha primeira crónica que, não sendo tão extensa como as que o Charbel já nos habituou, também não tem muito que contar.

Abraços
PV

O lobo solitário

by Alcides "Land Rover"

Este Sábado (7.11.09) depois da minha "Maria" se levantar e dizer ke o dia estava bonito decidi ir andar de bike pelas 9h. Foi uma volta rapida pelos campos da companhia das lezirias no regresso a casa deparo com 3 bttistas no qual fiquei estupefacto no meio desses craques do pedal encontrava-se o " KEFA" sim esse mesmo no meio do Sergio e do Hugo ainda tentaram dar-me a volta para ir com eles mas, meus amigos, estava 1 ventania brutal no meio da leziria ke davas 3 pedaladas para frente e 2 para trás ainda fiz 1 benzedura ao kefa e desejei felicidades para o regresso ihihhi... e ainda lhe disse: "não te dou mais ke a ponte da auto estrada para rebentares". Não me devo ter enganado por muito! Ainda passei pela futura loja RIBA PEDAL do nosso amigo Pedro Romão onde se encontrava em tarefas profissionias na qual passo informar para quem ainda não sabe, que abrirá brevemente com loja e oficina!

Abraço

Alcides

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A verdadeira Cabra-Montez de Belmonte (Capra Pyrenaica Belmontica)

By Fernando Ferreira

1 de Novembro 2009

BTTistas,

Neste domingo e durante o nosso Raid BTTistico em Belmonte, recolheram-se provas científicas consideradas fundamentais para comprovam que aqueles montes fizeram parte dos verdadeiros maciços dos Alpes europeus com autênticas escarpas, que vão de encontro à teoria de que a lezíria é toda plana. A prova científica foi recolhida pelo nosso presidente, e demonstra a existência da Cabra-Montês (Capra Pyrenaica Belmontica) naquelas paragens. A cabra-montês é uma cabra selvagem de chifres estriados e curvados para trás. É vigorosa e o maior mamífero europeu de altas montanhas:









O olho científico para estes assuntos do Sr. Presidente foi fundamental para atestar estes factos:















Concluída a sua análise, o Sr. Presidente afirmou peremptoriamente “…Trata-se sem dúvida da Cabra-Montês, cujo nome cientifico é Capra Pyrenaica Belmontica…”, o que deixou todos os membros do Clube que o acompanhavam estupefactos pelos seus conhecimentos científicos.
O Presidente ficou de tal forma emocionado pelo achado cientifico que já se propôs a alterar o símbolo do Clube em homenagem ao animal selvagem.















E já está a pensar em colocar nos estatutos do Clube, a utilização do novo símbolo na bike por parte de todos os membros do Clube. Eis o presidente usando o seu novo símbolo com orgulho:
A bike do Presidente já está equipada como o novo KIT montês:
















Esta crónica foi-me mandatada pelo Sr. Presidente. Fui incumbido de elaborar por castigo, devido ao facto de não ter subido a ultima escarpa em Belmonte. Isto, ainda por cima depois de mais uma vez ele se atrasar e nos fazer esperar 15 minutos para além da hora marcada, dando-nos assim o privilégio da sua companhia.

A vassalagem ao Sr. Presidente ainda continua a ser o que era ... ☺☺☺

Assim, encontraram-se na esteveira este Domingo 9 BTTistas, o Carlos Fernandes, o Alcides, o Pedro Romão, o Vasco Burguete, o Fernando Ferreira, o Ricardo Brites, o Daniel Brites, o Bruno Venâncio e o Pedro Keffa.
Tivemos ainda a visita na esteveira do Sr. Domingos que foi fazer estrada a solo.

O pelotão lá saiu da Cidade de Samora cerca das 8.45, rumo a Belmonte pela lezíria. O primeiro percalço surgiu-nos logo no início da lezíria com um furo do Vasco.
Chegados a Belmonte, preparámo-nos para a primeira subida do dia, junto ao viaduto da A13. foi então que surgiu o segundo percalço, começámos a ver grandes quantidades resíduos fecais frescos de gado quadrúpede no chão e depois de fazer a primeira curva logo demos de caras com uma manada de vacas e bois pretos de chifres em riste e tão surpreendidas quanto nós por nos verem. Isto fez com que o pelotão ficasse sem coragem para avançar e com a adrenalina ao rubro, excepção feita ao nosso colega Alcides.

É pá, devo dizer que o homem montado na sua bike de jersey vermelho, qual cavaleiro montado no seu cavalo avançou em cima da bike direito ao gado e gritando eeooooohhhh, eeooooohhhhh, eeooooohhhh! Devo confessar que fiquei na dúvida se o Alcides queria afugentar o gado ou se os estava a chamar a si para efectuar um toureio a campo aberto. Só lhe faltou a vara e o barrete e diria eu tratar-se de um autêntico campino. O Alcides bem tentou chamar a si os outros membros do grupo (vulgarmente conhecidos por “ajudas”) para se juntarem a ele, nesta faiana, mas devo confessar que ninguém se sentiu atraído por esta ideia.
Esta situação obrigou a uma alteração no percurso para contornar os animais.

Ainda tivemos 3 tralhos, com uns arranhões e esfoladelas:
Ø O Carlos Fernandes tralhou no Single-Track do lado esquerdo paralelo á descida em cascalho
Ø O Ricardo Brites na descida junto à antena de Belmonte
Ø E o Vasco na Single-Track do lado direito paralelo à descida em cascalho

O Alcides, o Pedro Romão e o Pedro Keffa abandonaram o Raid mais cedo devido a compromissos pessoais. No final ficou um pelotão reduzido a 6 BTTistas.
















Por hora fico por aqui!


Um abraço e boas pedaladas,

Fernando Ferreira (Outsider)