domingo, 27 de dezembro de 2009

Volta da queima do filhóz - rescaldo

Boas,

este domingo, dia 27, juntámo-nos para uma voltinha rápida, que servia para queimarmos os excessos desta altura festiva. A participação foi muito positiva pois eramos 9 bttistas ao inicio: eu, Carlos, Bruno, Aires, Tiago, Pedro da GNR, Sr Domingos, Vasco e Keffa. Parece que os filhozes, os cuscurões e as rabanadas tinham muito óleo mas não era o GTX3 sintético pois fizeram mossa no Vasco e no Keffa, que nos abandonaram logo ao km 15 e ficaram a carburar mal...eheheh
Os restantes prosseguiram até a St Estevão e demos uma volta simples com um ritmo calmo. Apertámos apenas nas poucas subidas e deu para relaxar, deu pó combibio e para queimar umas calorias. O importante é não parar pois o regresso custa sempre mais... e para a semana é outra!!! Desta vez: A Volta das passas e do espumante eheheh

Saudações bttisticas,

DCB

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal e um próspero 2010!!!

O CBTT Trilhos da Leziria deseja a todos os seus membros, respectivas familias e a todos os que nos seguem...
Um Natal muito Feliz e um próspero 2010 cheio de momentos alegres e cheio de boas pedaladas!!!

PS: dia 27 Dez pelas 10h na loja Ribapedal daremos uma volta rápida de BTT para queimarmos os excessos da época e mostrarmos as prendas novas. É a recente Volta da Queima do Filhóz


Cumprimentos a todos e Boas Festas,

CBTT TL

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"Almoço" de Natal do CBTTTL.

By Charbel


Olá a todos,

No passado Domingo, realizámos o almoço de Natal do grandioso Clube BTT Trilhos da Lezíria.

Foi uma ocasião para nos juntarmos à mesa com as nossas famílias. É uma forma agradável de nos conhecermos, até porque, principalmente as nossas esposas ouvem as histórias das nossas peripécias e não conhecem os rostos dos malucos em causa. Por outro lado é uma pequena forma de agradecermos paciência que têm connosco, pois a nossa actividade “rouba” muito tempo à família.

Quantas e quantas vezes não chegamos a casa ao Domingo de manhã e nem tiramos o capacete da cabeça para absorver as vassouradas que recebemos quando abrimos a porta? Hum? E quantos de nós não têm de acordar mais cedo para mudar os pneus das bikes, sabotados na véspera? E quantos de nós (1, o Vasco) não sentem na pele as represálias da sua sogra? Isto para não falar nos putos que desatam à biqueirada às canelas, por já nem nos reconhecerem? Eh, eh, eh!
Ok, ok, estou a exagerar, mas só um bocadinho, eh, eh, eh!

Logo à chegada, tive um mau pressentimento pois a recepção do dono do restaurante foi assustadora, eh, eh, eh! Entrei com a minha família e com o João Romeiro logo atrás de um casal que por acaso também entrava naquele momento. O homem quando nos viu fez logo má cara, por ver que já não tinha mesas disponíveis, mas de pronto o informei que pertencíamos ao grupo com mesa reservada e de pronto ele respondeu: – Ah! Estão com sorte, senão! – e lá entrámos, estranhando o reduzido tamanho da mesa que nos estava destinada.

O pessoal foi chegando, confirmando as suspeitas em relação ao tamanho da mesa, mas o pior ainda estava para vir, eh, eh, eh!
O malvado estava prestes a revelar o seu lado mais sombrio, qual drácula no seu castelo assombrado.
A mesa estava posta de forma estranha, com as poucas “entradas” e bebidas colocadas estrategicamente a alguma distância, umas das outras, eh, eh, eh!
Após longa espera o senhor lá começou a trazer doses minúsculas de Bacalhau à Lagareiro, mas antes de as colocar fazia um rigoroso inquérito em tom ameaçador:
– Quem é que escolheu Bacalhau? – Alguém respondeu: – Eu quero, mas não escolhi nada com antecedência! – Se não pediu não pode!
Depois começou a servir mini Pernil e mini espetadas e o espectáculo repetiu-se.

Quase que era necessário mostrar o B.I. para que o homem libertasse os pratos, assim continuando até que todos fossem distribuídos. O pior de tudo foi constatar que tudo era mini, parecia um banquete para Gnomos da floresta. Só faltou o homem obrigar-nos a comer em pratos de sobremesa e a beber por cálices dos shot´s, eh, eh, eh…..

A verdadeira dimensão do horror em que nos encontrávamos surgiu quando o “pobre” colega Vasco teve a insensata ideia de pedir uma “saladinha”.
O homem simplesmente saltou na sua direcção de bloco de notas em riste exclamando: - Isso é à parte! Não está no preço que vos dei. - Estávamos com um grave problema, a partir daquele momento tínhamos a certeza de estarmos na presença de um verdadeiro “ditador” que tentava a racionar a comida a todo o custo.
A salada acabou por ser servida, agora não sei se o Vasco se encontrava suficientemente descontraído para a poder saborear, eh, eh, eh…..
A comida era tão escassa que facilmente um cliente poderia a qualquer momento perder a cabeça e desatar a comer as toalhas de papel e as plantas ornamentais.

Enfim, tivemos muito azar na escolha de um restaurante alternativo à Torre, visto que a intenção era variar um pouco. Variámos mal!
Com tudo isto o pessoal ficou cheio de fome e alguns tiveram mesmo que pedir um reforço à base de febras. Eu acabei por ir para casa confeccionar um banquete para compensar a fome vivida ao almoço.

Esperemos que para o próximo tudo corra um pouco melhor, ou corremos sérios riscos das nossas famílias se recusarem a participar nos nossos almoços, eh, eh, eh!

Falando um pouco mais a sério, quero deixar uma palavra de conforto ao nosso “Incrível Hulk” que falhou a nossa festa pelas piores razões. Um grande abraço para ele com o desejo de rápidas melhoras.

Em nome do CBTTTL, quero agradecer a presença de todos os participantes.


Abraços e beijinhos,



Charbel

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

FORÇA MARÇAL!!!!!

Bom... em termos bttisticos não há muito a mencionar e o que há, infelizmento não é nada de bom! O CBTT TL participou este domingo, 20 Dez, no passeio da CMB em Benavente. Eramos 7 bttistas e estava um frio de rachar (-1 grau às 8:30), eu fui com luvas da neve e 2 pares de meias grossas. Mas o pior de tudo foi logo no inicio, ainda no alcatrão, com apenas 1km de volta, quando o João Marçal acabou por cair e partir um braço! Dassss... até arrepiou! A coisa estava feia e ele teve que ficar internado no hospital para ser operado só esta 3ª ou 4ª feira. O osso ficou bastante estilhaçado e a recuperação será um pouco mais complicada que o normal. Aparte disso não sofreu mais nenhuma masela relevante ou grave. Resta-lhe agora esperar que a operação corra bem e que a recuperação seja rápida. Quanto ao motivo da queda... essa é a maior incógnita da minha carreira de bttista pois o homem ia no alcatrão, devagar, ligeiramente a subir, levanta o rabo do selim para pedalar e a roda da frente torce completamente, atravessa-se e ele voa por cima da bike caindo com o braço debaixo do corpo.... Incrivel... ninguém sabe como ele fez aquilo. Para mim só há 2 razões: ou uma das mãos escorregou do volante, ou a pedalar um dos pés saiu do pedal e enfiou-se na roda (o apoio para o bidon da agua só tinha um parafuso e poderá ter descaido para um dos lados e ele ao pedalar pode ter ficado com o pé preso... é uma possibilidade também).

Marçal, vais ver que o osso depois de colado fica novo!!! Os gajos agora arranjam tudo!
Muita força e grande abraço da malta toda!

PS: em relação ao almoço depois da volta, valeu pelo menos pelo convivio e para as nossas mulheres conhecerem o resto da malta e umas às outras. Acho que foi uma boa ideia! Quanto ao resto do almoço, resta-me em meu nome e em nome do Fernando Costa pedir desculpa pelas coisas menos boas e pela escassez de comida. Para o ano será melhor e escolharemos um local bem melhor.

Mais uma vez uma palavra de apoio ao João Marçal e dizer que a malta do CBTT TL está com ele!

Abrç

DCB

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

UMA VOLTA BEM GELADINHA!

By Charbel

Olá,


Este fim-de-semana foi realmente fresquinho!

Eu, o Galamba e o Tiago, decidimos fazer estrada ao invés do restante pessoal que foi para o Montejunto, mas nada de tão radical como o Troia-Sagres.

Às 8H15 partimos do Porto Alto. Estava realmente muito frio, ao ponto de trazer-mos gorros, luvas, cachecol (eu), capas nos sapatos (Tiago), calças, casacos de membrana, etc. Mas nem todos vinhamos tão bem aconchegados, o maluco do Galamba apresentou-se de calções, envergando um polo com mangas em algodão???!!!!!! O homem é louco, deve ter rapado um frio incrível, talvez isso explique o seu silêncio, principalmente após as descidas, eh, eh, eh! Há três semanas fizemos uma volta idêntica, mas desta vez a coisa já foi programada e levámos mantimentos.

Depois de ultrapassada a recta do Cabo, seguimos em direcção ao Carregado, começando a subir nos Casais da Marmeleira, prosseguindo até a aldeia de Canhestro. Nesse trajecto "roubámos" algumas laranjas numa quinta, prontamente degustadas junto à fonte de Canhestro. Essa paragem foi muito prejudicial, uma vez que os músculos arrefecem muito rápidamente e depois custa mais. Assim depois de  descermos até Santana da Carnota, aproveitámos para tomar um café para aquecer, à excepção do Galamba que dizia que não podia beber nada quente!!!??? Pois é, eu também não gosto de bebidas quentes mas naquela situação sabe mesmo muito bem!

Depois veio a aldeia Cruz do Vento e como o Galamba gosta de surpresas, decidimos alterar ligeiramente o percurso, eh, eh, eh! Fomos até ao Sobral de Monte Agraço, descendo então até à Arruda-dos-vinhos onde fizemos uma última paragem para abastecer. Depois foi subir até Vila Franca de Xira até que por fim chegámos a casa com um total de 78 Kms em 4h03m.

Foi uma volta agradável e que serve para mudar o cenário. Acho que o Tiago gostou e pretende repetir, já o Galamba não tenho assim tanta certeza, eh, eh, eh....


Grande abraço,


Charbel

O CBTT Trilhos da Lezíria no Troia-Sagres

by Sergio Silva


A Ligação de Tróia Sagres por asfalto com bicicleta de BTT, começou à 20 anos atrás quando António Malvar a realizou pela primeira vez.Este Passeio foge a todas as regras de qualquer organização, começando logo por não ser um organização, mas mesmo assim atraí praticamente todos os anos cerca de 500 a 600 ciclistas que de uma forma mais ou menos organizada, enfrentam o desafio de comprir 200 km`s. Partimos de Samora Correia às 6H30m da manhã eu o Zé Carlos, o Hugo e o nosso director desportivo o Sr. Rui que se disponibilizou para nos prestar apoio logístico durante o percurso.Após a nossa chegada a Tróia, já grande parte do pessoal tinha partido em pequenos grupos para não dificultarem o transito, acabamos por partir apenas nos os três sem companhia, mas passado pouco tempo dois atletas de camisola amarela passaram por nós a bom ritmo e aproveitamos a boleia, entretanto passámos por bastante ciclistas, juntando-se mais um elemento ao grupo. Algum tempo depois de passarmos Vila Nova de Mil-Fontes confirmamos a médiaq ue fizemos a este ponto era de 33 km`s hora. Assim que chegamos ao Algarve o ritmo começou a diminuir, pois não nosalimentamos atempadamente para enfrentarmos as primeiras subidas Algarvias,o que nos provocou após as ditas subidas uma falta de rendimento extraordinária pois nem a 25 km/h conseguíamos pedalar, optamos por não forçar o ritmo e começamo-nos a alimentar e ao fim de 1 hora as máquinas (corpo humano) começaram novamente a corresponder e voltámos a pedalar dentro da casa do 30 km/hora.Quando faltavam 12 km`s para chegarmos a Sagres o Hugo parte um raio na roda traseira, e pensou logo que já não chegava a Sagres, depois de tanto esforço não chegar a Sagres por 12 km`s era um grande galo. Enrolamos o raio partido no raio mais próximo e com a roda empenada a bater no quadro lá chegamos a Sagres com uma média de 29 Km`s hora em 198,8 km`s percorridos.

Sergio Silva

domingo, 13 de dezembro de 2009

Montejunto no seu melhor





Caros bttistas,

este domingo, 13 Dezembro, e após quase um ano de ausência voltámos à Meca do CBTT TL: o Montejunto. E foi uma bela volta num dia muito bom para percorrer a zona pois apesar do frio matinal o sol e as belas subidas aqueceram-nos num instantinho! Éramos 10 bttistas e seriamos mais se 2 ou 3 não se cortassem à ultima da hora. Assim os participantes e conquistadores da Serra foram: Eu, Pegaso, Fernado Costa, Fernando Fer., Carlos Fernandes, Paulo Vasconcelos, Miguel "Cassetes" (não... lá demovemos o homem daquela ideia suicida de ir a rolar e depois dar lá a volta e regressar), João Marçal, Ricardo Brites e Eduardo. Demos a volta do costume, começando pelo sopé na zona dos eucaplitos e depois fizémos a "Dolorosa" (subida com cerca de 6 kms de extensão...sempre a subir mas nós ja a apanhamos quase a meio mas ainda fazemos uns 3-4 kms)... durinho!!!



Depois descemos um pouco e entrámos na zona da encosta sul, nos trilhos bem técnicos com o seu cascalho solto. Mais 2-3 subidas puxaditas e lá chegámos ao alcatrão. Eu e o Cassetes ainda subimos às antenas e depois foi sempre a abrir, pela descida abaixo... o Marçal entusiasmou-se e ainda saiu em frente numa das curvas apertadas! Era um voo... não era um tralho! Uma palavra para o Fer. Ferreira que se sentiu mal logo na 1ª parte da volta e regressou logo ao carro. (Fernando, já estás melhor??? dá noticias à malta!!!)
Outro grande destaque vai para as prestações do Ricardo, do Fernando Costa (já não rolava a sério há uns meses), e depois do Eduardo, do Marçal e do Paulo Vasconcelos (que foi a 1ªvez , e sabemos que a 1ª vez é sempre complicado eheheh). Foram sempre bem até ao fim e só mesmo o Paulo sentiu umas dificuldades na parte inicial mas depois fez quase tudo em cima da bike! Muito bem!!! Os trilhos continuam muito bons, muito técnicos, duros o suficiente e boas paisagens.
Resumindo foi uma volta excelente, de 45kms, num belo dia de sol e bom espirito de camaradagem entre malta com ritmos diferentes.



E... acima de tudo foi um bom treino para esse passeio durissimo que se segue que será o passeio da CMB (eheheh)...secalhar é mais para a dureza do almoço de Natal!


Saudações bttisticas,

DCB

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Maratona de Canha Dez 09

de Fernando Ferreira

Bttistas,

Realizou-se no passado dia 6 de Dezembro de 2009 a Maratona de Canha 2009 na qual tive o prazer de participar. A maratona tinha duas distâncias 40km e 100km. Participou nesta maratona nas duas provas cerca de 900 BTTistas.

A Maratona do 100Km foi ganha pelo Bruno Pais da Federação Portuguesa de Triatlo com o tempo espectacular de 3h48m01s. Os 40Km foram ganhos pelo António Valadas VBBIKES com o tempo 1h28m42s.

A minha participação(sem carácter competitivo devo frisar) ficou muito abaixo destes tempo. Fiz os 42Km em 2h42m21s na 512º da geral(tá na media… baixa). Participaram ainda alguns colegas do Samora Bike Team. O Hélder e o Ricardo Basílio, o Sousa e vários outros que não conheço. O Hélder e o Ricardo Basílio foram fazer os 100km e fizeram em 4h56m.

O percurso era bastante acessível nos primeiros 20Km. Os restantes já tinham algumas subidas dignas desse nome. Houve inclusive uma zona tipo carrossel com sobe e desce onde era necessário empregar alguma técnica. Nesta zona assistiu-se inclusive a alguns tralhos e alguns com gravidade. As marcações do percurso dos 40Km estavam bem, embora ouvisse alguma criticas ás marcações.

A nota menos boa a meu ver vai para os banhos. Apesar de existirem 3 locais(Bombeiros, junta de Freguesia e campo de futebol) para tomar banho e com carrinhas para transporte da malta, a afluência era muita e não dava vazão.

O almoço estava espectacular. Era porco assado(literalmente, estavam a assar 2 porcos no espeto) temperado com um molho e acompanhado com arroz e feijão. Estava muito bom. A nota menos boa no almoço foi o tempo que se teve que esperar para almoçar pois era muita gente a almoçar.

1 Abr.,
Fernando Ferreira

domingo, 6 de dezembro de 2009

Passeio domingo, 6 Dez

Bttistas e outros,


só um breve resumo da nossa volta deste domingo:



a manhã ameaçava chuva a sério e talvez isso tenha afastado muito do pessoal para este passeio que tinha partida desde a loja do Pedro e do Milton, a Ribapedal.

Ainda assim eramos cerca de 13 bttistas: 5 do CBTT TL (Eu, o Marçal, o Aires, Carlos Fernandes, Alcides), 5 da Arepa e mais 2 outsiders que também apareceram. É verdade, apareceram alguns bttistas fantasma que há muito tempo que não faziam a sua aparição... e o resultado foi castigador para ambos. Confesso que já tinha saudades de ver um dos nossos a sofrer a sério...ehehehe. Demos a volta do canal e em Benavente o pelotão reduziu-se logo em 5 atletas pois alguns tinham que voltar para trás. Os outros seguiram até Foros Salvaterra e ainda encontrámos a malta dos Rasga-trilhos a fazer estrada. Vinham desde Sacavém até Salvaterra com carro de apoio e tudo.

Bom, ao todo foram 72 kms sempre sem chuva, alguma lama mas muito pouca e saliente-se o sacrificio do Marçal para chegar até Samora... o homem nem falava. Marçal, vais no bom caminho... é só mais uma ou 2 voltas. O Aires já adivinhava este trágico desfecho e encurtou logo a volta em alguns kms.



Foi porreiro e a 2ª parte da volta foi sempre a bom ritmo. Nem um pingo de chuva, tivemos sorte!

Para a semana proponho o Montejunto, a nossa Meca! Isto se o tempo ajudar....
Depois envio um mail

Saudações,

DCB

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Rescaldo do 1º Dezembro

Ora boas,

afinal sempre deu para darmos uma volta de bike, este feriado que passou!
E melhor ainda... sem chuva!
Acabamos por ir 4 bttistas: Eu, o Fernando F, o Alcides e o Keffa (sim... esse mitico bttista!)
Saimos já tarde perto das 10:40 (à espera do Keffa e não do Presidente!!!) mas demos a volta de St Estevão e às 12.45 estávamos em Samora.
Fizémos 50kms e foi um record para o Keffa pois o máximo que tinha feito foram 30kms!! Mas aguentou-se muito bem e praticamente não tivémos que esperar por ele.
Passámos pela herdade do zambujeiro e depois fizémos o single track pelo meio dos eucaliptos e as subidas de terra batida junto da saida da mata do Duque do lado de quem já está a sair de St Estevão, direcção de Benavente.
Fugimos à estrada de terra da Coutada Velha (pista das avionetas) pois parece que nesta altura está praticamente inundada e cheia de lama.


Foi uma boa volta e pelo menos deu para não estarmos uma semana inteira sem andar.


Abrç

DCB

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Fui contaminado... tenho Preguicite A (A de aguda)

E o rescaldo bttistico para mim foi.... ficar na caminha, no quentinho!
Fui atacado por esse novo virus que anda por aí: Preguicite A (A de aguda...eheheh)
Epá às 8h chovia que se fartava e depois por acaso até parou e sei que há malta que foi andar.... mas depois de ver tudo oi que tinha chovido e como tenho andado um pouco engripado tive receio que ficasse pior e optei por ir mais tarde. O problema é que às 10H ainda chovia mais!
Fiquei em casa e lá se foi a voltinha do fim de semana.
Era para colocar aqui uma foto de mim na cama mas poderia ferir a susceptibilidade dos mais fracos e como fracos é o que mais temos.... seria catastrófico...ahahah

E o resto da malta, quem foi andar?

PS: sou bem capaz de ir andar é amanhã (feriado 1 dezembro). Vou dar a volta rápida de St Estevão, por isso vou às 10h passo na Esteveira para ver se mais alguém quer ir. Isto se não estiver a chover.

Abraço,
DCB

domingo, 22 de novembro de 2009

Trilhos, Tralhos, furos, lama e outros azares

Pessoal, esta é a minha versão da prova da Arepa neste passado dia 22 Nov. Participaram 11 bttistas do CBTT TL na prova. Apenas 4 estavam inscritos para os 76kms. De salientar que o Fernando Ferreira fez anos nesse dia mas nós só soubemos quando o organizador ao micro o disse para toda a malta ouvir e cantar os parabéns. Nem um bolinho ele trouxe!!!
Eu comecei a prova logo com um atraso de 5 minutos pois à ultima da hora algo em mim estava mal... estava podre… estava a mais! É verdade tive que fazer mais uma retirada rápida ao wc para largar cerca de 500 a 550g de material orgânico. Desta feita não posso precisar exactamente o peso certo da dita pois não tinha comigo a balança da cozinha!! Ehehe. Bom, mas já atrasado disse a alguns membros da organização que ainda os ia apanhar… e não é que os apanhei mesmo logo passados 2kms. Mas pela pior das razões: é que o Pedro Romão numa iniciativa arrojada de marketing para promover a sua nova loja decidiu sofrer uma grande queda ainda no alcatrão em frente ao Modelo. Havia uns separadores de plástico nas bermas e o pelotão teve que afunilar e outro bttista atravessou-se na sua frente e o Pedro voou por cima da bike e caiu em cima da roda dianteira. Partiu uma costela e fez uns bons arranhões mas já está em casa não houve mais complicações até ao momento. A malta do CBTT TL ficou lá com ele até chegar o INEM e só saímos quando partiu a ambulância. Ficámos muito assustados e afectados pois o aparato foi grande e as queixas também. Lá partimos 30 min depois, nas calmas e já muito atrasados para o pelotão. Depois logo no inicio o Fernando Costa furou, remendou mas passado 1km tivemos que parar de novo pois o pneu estava em baixo. Bem… depois foi sempre a apanhar mais furos, malta sem câmara de ar suplente, sem bomba , sem chaves, sem conhecimentos nenhuns do que é o BTT…enfim!! Ainda apanhámos as vacas e as crias mesmo no meio da estrada e eu e o Fernando é que tivemos lá a afugenta-las pois vinha mais malta atrás e poderia surgir alguma complicação. E pelo menos eu e o Fernando abdicámos completamente de tentar um bom tempo e viemos tranquilos até ao fim e fizemos apenas os 38kms e chegámos nos ultimos. Destaco ainda que a mais de meio da 1ª dos 38kms fomos ultrapassados pelo 1º classificado dos 76kms. Mas como estava fresco fiz os restantes kms com ele e ultrapassei-o mesmo e fui uns 2-3 kms à frente dele. O homem estava assustadíssimo e baralhado pois pensava que eu é que era o 1º e ele o 2º. Iamos a 22-24kms, naõ muito! Lá o tranquilizei e no alcatrão ele passou. Mas foi giro a malta na estrada e da organização a ver-me na frente da prova e a incentivar-me a pensar que ia a discutir a liderança…eheheh! Bom… nem sei a classificação da malta mas sei que o único que fez os 76kms foi o Sr Domingos que fez um bom tempo. O Bruno também fez uma boa recuperação. Ao almoço fui apenas eu, o Sérgio (que foi ajudar a organização) e a malta da Delegação de Lisboa. O almoço foi no centro social e estava muito bom (caldo verde, frango guisado com arroz, sobremesa, café). De resto o percurso até era bom e estava muito bem marcado mas como choveu no dia antes tinha zonas de muita lama, quase intransitáveis e evitáveis. A zona de regresso ao lado da estrada nacional estava do piorio. Também a evitar eram aqueles separadores de plástico ao inicio quando a malta ainda vai em pelotão… é que afunila e há mais probabilidades de acidente. Em resumo, se não houvesse tanta lama e se o Pedro Romão não caísse teria sido uma prova muito boa.
Abraço e melhoras rápidas para o Pedro.

DCB

domingo, 15 de novembro de 2009

Treino de Veteranos C

Este Domingo (15 Nov) pelas 8:45, num acto de boa fé e solidariedade eu e o Bruno V. fomos levar os "cotas" a passear (Zé Carlos, Sr Domingos e Carlos Fernandes). Num acumulado de idade na ordem dos 1.645 anos (eheheh). O problema é que este acto de bondade e reconhecimento para com os mais velhos revelou-se trágico...para a minha pessoa! É que os "cotas" andam malucos e deram-me uma valente "tareia" e só com muito custo cheguei ao fim!!! Está certo que foram 76kms sempre a andar bem, também está certo que me deitei tardissimo na noite anterior, e por fim carreguei toda a volta com um peso de cerca de 856 gramas de matéria consistente (a chamada MERDA, mesmo...) que me dificultou seriamente a mobilidade e só em casa me consegui livrar dela. Ufff.














Fomos até à Mata do Duque mas antes passámos pelo Açude dos Foros de Almada e depois demos a volta maior lá dentro. Pela 1ª vez encontrámos lá caçadores que estavam na zona da Mata do Duque onde ainda não há quaisquer casas, a parte mais afastada. No regresso ainda fizemos um single-track e destaco a insubordinação inadmissível do Zé Carlos que não queria fazer essa parte não acatando as indicações do Presidente e não confiando nas capacidades deste. Mas porquê?? …. Porque é que toda a gente pensa que é para fazer mais 20-30 kms ou passar em zonas muito complicadas?!?!? Quando é que isso aconteceu, ein?? Só por causa das coisas até foi mesmo só um desvio de 2-3 kms e até foi porreiro!














Chegámos a Samora perto das 12:15 sem qualquer lama, com 76kms nas pernas e com mais uma lição de preparação do escalão Veteranos C do CBTT TL. Foi um belo passeio!

Abraço,

DCB

Mr. MAGOO

Olá amigos,

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!

O que é? Pensam que estou louco é? Vejam lá se tratam o Vice-presidente com mais respeito, tá? Mais á frente vão perceber o porquê do meu grito de horror! Neste momento ainda estou em convalescência, eh, eh, eh!
Esta crónica até que poderia ter vários outros títulos, tais como: "O Tornado", "O traidor", "O Marquês de Sade", etc, etc, etc, mas decidi-me por "Mr. Magoo"!
E agora perguntam vocês: -E porquê?- Porque, neste Domingo decidi fazer estrada, em sinal de solidariedade para com o nosso amigo Magoo, ups, quero dizer Galamba, Magoo Galamba.......... fonix, não é nada disto que eu queria dizer, a solidariedade é para com o nosso amigo Carlos Galamba, assim é que é, eh, eh, eh!

Pois é, meus amigos. Acontece que o homem teve que ir andar sem as suas lentes de contacto, pelo que quase parecia um rato cego e eu fui fazer de guia para ele não cair em nenhum buraco, e também para não se perder, não fosse o homem ir "parar" a Marrocos, eh, eh, eh.
O local de partida combinado era frente à Torre, onde fomos visitados pelo grande Zé Carlos, que decidiu ir com o restante pessoal fazer BTT.
Começámos a andar e eis que surge o imprevisto! Não é que naquele preciso momento "decidi" abortar uma volta até St. Estêvão de 50 Km, solicitada pelo Galamba previamente?
Há coisas fantásticas não há? E não é que também nesse preciso momento senti o chamamento da serra? Uuuuuu, medo!

Como sei que o Galamba é um tipo porreiro e que não vira nunca a cara à luta, lá o convenci a seguirmos via recta do Cabo. Nesse mesmo momento dissemos adeus ao Carlos Fernandes que se cruzou de carro connosco. Vinha de V.F.Xira, ao encontro dos restantes bttistas na Esteveira.
O vento soprava violentamente, mas era a favor, pelo que fizemos a recta a cerca de 30 Km/h, sem esforço.
Chegados a V.F.Xira, sugeri-lhe que seguíssemos em direcção ao Carregado de onde seguiríamos para a Arruda pelos Cadafais, mas uma vez mais alterei os planos e pensei efectuar um percurso "alternativo". No Carregado virámos em direcção a Santana da Carnota, mas pelo meio fizemos alguma subidas "maradas" que íamos encontrando.Virámos para uma aldeia minúscula chamada Canhestro onde fizemos subidas e mais subidas até Santana da Carnota.

Daí seguimos para Cruz do vento onde nos aguardava outra subida, mas desta vez estávamos completamente expostos ao vento fortíssimo que "batia" de frente e ficamos esclarecidíssimos em relação ao nome daquele lugar, dassss! Ainda por cima, como estávamos a seguir apenas o meu sentido de orientação, decidi acelerar para tentar "apanhar" um outro ciclista que seguia mais à frente para lhe pedir informações.
Era um membro da equipa de ciclismo de Santana da Carnota que por ali andava a treinar. Dois dedos de conversa e chega o Galamba já todo f#d!d*, eh, eh, eh, eh....
Por esta altura comecei a temer pela minha integridade física e tomei as devidas precauções em relação ao Galamba, mantendo alguma distância, eh, eh, eh.
A coisa estava mesmo feia, pois até a descer custava e acho que ele já devia estar a pensar num plano maquiavélico para me empurrar por uma ribanceira abaixo quando não estivesse ninguém a ver, eh, eh, eh!

Na foto seguinte já se vislumbrava finalmente a Arruda-dos-vinhos. Quando tirei esta foto passou um Zuca de chinelinho e sem peúguitos. Estes Zucas vêm programados para o Sol e não há nada a fazer. Mesmo que chova, como era o caso!

Chegámos finalmente à Arruda com uns valentes Km´s a mais e também umas 400 subidas que não estavam nos nossos planos. Sim é verdade, a coisa descontrolou-se de tal forma que até eu já estava farto daquilo e começava a sofrer, porque vinha de uma paragem de duas semanas e como a volta não estava planeada assim, nem eu nem o Galamba, trazíamos abastecimento! Seguimos depois por S. João-dos-Montes até à Alhandra, onde existe uma descida, efectuada normalmente a 60 ou 70 Km/h, mas que por culpa do intenso vento não conseguíamos passar dos 35 Km/h (!!!??). Prosseguimos pela nova ciclovia até V.F.Xira.

Na foto seguinte, conseguimos facilmente verificar o verdadeiro "estado de espírito" do homem!
Era do tipo: "Ah! se eu pudesse mandava já o Vice para dentro do Tejo, para ser devorado pelas enguias, mas tenho de resistir pois estão aqui muitas testemunhas oculares, grrr!"

O Galamba até que me devia estar agradecido, pois preocupado com o seu bem-estar, até o levei de elevador, eh, eh!

Let´s look at the trailler....

video

Depois meus amigos, veio o esperado pesadelo na Lezíria. O vento era ciclónico (não estou a exagerar) e era contra. O Galamba acabava de dar o estoiro, de tal forma que tive de efectuar toda a recta do Cabo a empurrar o homem. Como consequência, também eu dei o estoiro no Porto Alto, mas pelo menos o Galamba já estava "entregue". Na ponte do Porto Alto tornámo-nos a cruzar com o Carlos Fernandes.
Arrastei-me então até Samora, perfazendo uns magníficos 72 Km´s efectuados em 4 horas!!!???

Por hoje é tudo, vou telefonar ao Galamba para saber se ainda está ligado ao tripé de soro, eh, eh, eh!

Fui.....

Charbel

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Volta de 8 Nov 09

by Paulo Vasconcelos

De acordo com a convocatória do Vice-Presidente para nos encontrarmos na Esteveira às 8h00 em ponto, meti-me a caminho para dar com o Gomes Fernandes já na Esteveira a equipar-se para a volta.A falar sobre se o resto do pessoal se iria baldar ou não, e que o Charbel até costuma ser pontual, ele recebeu um SMS do próprio Vice-Presidente a informar que não ia... A noite deve ter feito os seus estragos... Não vem mais ninguém, pensámos nós.Quando estávamos a decidir em cada um voltar mas é para o quentinho da cama, lá apareceram o Galambas e o Miguel Paiva. Menos mal, já temos quorum.Decidimos ir circular para Belmonte. Foram 40km onde eu e o Galambas tivémos alguma dificuldade em acompanhar o Gomes e o Miguel que iam em amena cavaqueira lá à frente e sem sinais evidentes de esforço. É a falta de treino. Eu com 2 fins de semana em atraso e o Galambas com 1.Enquanto nos esforçávamos numa subida, o Miguel andava para baixo e para cima como se o mundo fosse todo plano. Aquele homem não pára!Foi um trajecto variado com bastantes subidas escorregadias por causa da chuva, algumas partes mais rolantes e ainda algumas descidas interessantes, algumas parte do trajecto do futuro passeio da AREPA.Encontrámos bastantes caçadores na zona não muito satisfeitos com o tempo. Quando começou a chover mais a sério foi a debandada.Espero ter agradado com esta minha primeira crónica que, não sendo tão extensa como as que o Charbel já nos habituou, também não tem muito que contar.

Abraços
PV

O lobo solitário

by Alcides "Land Rover"

Este Sábado (7.11.09) depois da minha "Maria" se levantar e dizer ke o dia estava bonito decidi ir andar de bike pelas 9h. Foi uma volta rapida pelos campos da companhia das lezirias no regresso a casa deparo com 3 bttistas no qual fiquei estupefacto no meio desses craques do pedal encontrava-se o " KEFA" sim esse mesmo no meio do Sergio e do Hugo ainda tentaram dar-me a volta para ir com eles mas, meus amigos, estava 1 ventania brutal no meio da leziria ke davas 3 pedaladas para frente e 2 para trás ainda fiz 1 benzedura ao kefa e desejei felicidades para o regresso ihihhi... e ainda lhe disse: "não te dou mais ke a ponte da auto estrada para rebentares". Não me devo ter enganado por muito! Ainda passei pela futura loja RIBA PEDAL do nosso amigo Pedro Romão onde se encontrava em tarefas profissionias na qual passo informar para quem ainda não sabe, que abrirá brevemente com loja e oficina!

Abraço

Alcides

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A verdadeira Cabra-Montez de Belmonte (Capra Pyrenaica Belmontica)

By Fernando Ferreira

1 de Novembro 2009

BTTistas,

Neste domingo e durante o nosso Raid BTTistico em Belmonte, recolheram-se provas científicas consideradas fundamentais para comprovam que aqueles montes fizeram parte dos verdadeiros maciços dos Alpes europeus com autênticas escarpas, que vão de encontro à teoria de que a lezíria é toda plana. A prova científica foi recolhida pelo nosso presidente, e demonstra a existência da Cabra-Montês (Capra Pyrenaica Belmontica) naquelas paragens. A cabra-montês é uma cabra selvagem de chifres estriados e curvados para trás. É vigorosa e o maior mamífero europeu de altas montanhas:









O olho científico para estes assuntos do Sr. Presidente foi fundamental para atestar estes factos:















Concluída a sua análise, o Sr. Presidente afirmou peremptoriamente “…Trata-se sem dúvida da Cabra-Montês, cujo nome cientifico é Capra Pyrenaica Belmontica…”, o que deixou todos os membros do Clube que o acompanhavam estupefactos pelos seus conhecimentos científicos.
O Presidente ficou de tal forma emocionado pelo achado cientifico que já se propôs a alterar o símbolo do Clube em homenagem ao animal selvagem.















E já está a pensar em colocar nos estatutos do Clube, a utilização do novo símbolo na bike por parte de todos os membros do Clube. Eis o presidente usando o seu novo símbolo com orgulho:
A bike do Presidente já está equipada como o novo KIT montês:
















Esta crónica foi-me mandatada pelo Sr. Presidente. Fui incumbido de elaborar por castigo, devido ao facto de não ter subido a ultima escarpa em Belmonte. Isto, ainda por cima depois de mais uma vez ele se atrasar e nos fazer esperar 15 minutos para além da hora marcada, dando-nos assim o privilégio da sua companhia.

A vassalagem ao Sr. Presidente ainda continua a ser o que era ... ☺☺☺

Assim, encontraram-se na esteveira este Domingo 9 BTTistas, o Carlos Fernandes, o Alcides, o Pedro Romão, o Vasco Burguete, o Fernando Ferreira, o Ricardo Brites, o Daniel Brites, o Bruno Venâncio e o Pedro Keffa.
Tivemos ainda a visita na esteveira do Sr. Domingos que foi fazer estrada a solo.

O pelotão lá saiu da Cidade de Samora cerca das 8.45, rumo a Belmonte pela lezíria. O primeiro percalço surgiu-nos logo no início da lezíria com um furo do Vasco.
Chegados a Belmonte, preparámo-nos para a primeira subida do dia, junto ao viaduto da A13. foi então que surgiu o segundo percalço, começámos a ver grandes quantidades resíduos fecais frescos de gado quadrúpede no chão e depois de fazer a primeira curva logo demos de caras com uma manada de vacas e bois pretos de chifres em riste e tão surpreendidas quanto nós por nos verem. Isto fez com que o pelotão ficasse sem coragem para avançar e com a adrenalina ao rubro, excepção feita ao nosso colega Alcides.

É pá, devo dizer que o homem montado na sua bike de jersey vermelho, qual cavaleiro montado no seu cavalo avançou em cima da bike direito ao gado e gritando eeooooohhhh, eeooooohhhhh, eeooooohhhh! Devo confessar que fiquei na dúvida se o Alcides queria afugentar o gado ou se os estava a chamar a si para efectuar um toureio a campo aberto. Só lhe faltou a vara e o barrete e diria eu tratar-se de um autêntico campino. O Alcides bem tentou chamar a si os outros membros do grupo (vulgarmente conhecidos por “ajudas”) para se juntarem a ele, nesta faiana, mas devo confessar que ninguém se sentiu atraído por esta ideia.
Esta situação obrigou a uma alteração no percurso para contornar os animais.

Ainda tivemos 3 tralhos, com uns arranhões e esfoladelas:
Ø O Carlos Fernandes tralhou no Single-Track do lado esquerdo paralelo á descida em cascalho
Ø O Ricardo Brites na descida junto à antena de Belmonte
Ø E o Vasco na Single-Track do lado direito paralelo à descida em cascalho

O Alcides, o Pedro Romão e o Pedro Keffa abandonaram o Raid mais cedo devido a compromissos pessoais. No final ficou um pelotão reduzido a 6 BTTistas.
















Por hora fico por aqui!


Um abraço e boas pedaladas,

Fernando Ferreira (Outsider)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A PENSÃO BRITES.

By Sérgio Silva



Olá amigos,

Na passada 5ª feira recebemos a confirmação do Matias! Já tinha a nova Bike do Hugo na sua loja.

Fiquei um pouco renitente em aceitar logo o convite para ir a Verim para ir buscá-la e aproveitar para fazer algum BTT com o pessoal, pois neste fim de semana que passou realizou-se o Festibike em Santarém.
Por fim aceitei, principalmente porque a camaradagem era boa e a zona onde fomos andar é espectacular para a prática do BTT.
Depois de termos a bike nova em nosso poder, regressámos a Chaves mais concretamente a Faiões onde residem os sogros do Zé Carlos. Fomos recebidos com um belo almoço, à base de cabrito e só vos posso dizer que estava divinal!
Chegou então a hora do BTT. O Zé combinou o local de partida com o André Eanes, um autóctone de Faiões que eu já conhecia de anteriores visitas e que aproveito para apresentar.
Participa na Taça de Portugal de XCO e Campeonato Nacional da Modalidade. Este ano no Campeonato Nacional de XCO, no escalão Sub. 23, ficou em 3ºlugar, e participou em duas provas da taça do Mundo de XCO, uma em Espanha e outra na Áustria.
Comparecemos no local combinado, eu, o Zé, o Hugo e o Tiago, onde já nos aguardavam o André, o seu irmão Daniel Eanes e mais um amigo, o Hugo Azevedo.


Partimos então para a nossa voltinha e começamos logo a subir, e bem, pois quanto mais avançávamos maior era a inclinação. Mas era disto que nós gostava-mos e até dada altura o nosso rendimento até estava a ser razoável, mas depressa passou de razoável a medíocre, pois quando chegou a altura de mostrar-mos o nosso nível técnico tudo descambou. Fizemos singletrack´s espectaculares tanto a subir como a descer e fizemos muitos a pé, até que a certa altura o André nos diz: -Esta malta gosta é de andar a pé, são um bocado fracos a nível técnico!
Dito isto o Hugo responde: - Ó André não gozes connosco pá, pois nós lá na nossa aldeia, por aquilo que nos dizem somos os melhorzitos que por lá há.
E diz o Zé Carlos: - Sabes Sérgio quem gostava de estar aqui com o pessoal era o Canas ele gosta é disto...
Depois do banho de técnica e de algumas dicas que o André nos deu, regressamos ao nosso local de pernoita, imaginem o nome desse local ... "Pensão Brites"! O clã do nosso presidente possuía "tentáculos" até aqui!


Uma vez mais a família do Zé Carlos convidou-nos para jantar, convite prontamente aceite por insistência do Zé.
O jantar era um arroz de cabidela, feito com carnes caseiras. Para mim foi o melhor arroz de cabidela que eu alguma vez comi, pelo que desde já dou os parabéns à cozinheira. Estava tão bom que todos repetiram e a acompanhar o tomámos um vinho também ele caseiro, uma obra prima do Senhor Nicolau (sogro do Zé), que tentou ver se a malta do Ribatejo se aguentava com as suas pomadas realmente boas. Passámos pelos vinhos, licores vários e jeropigas brancas e tintas, só não me recordo é a que horas o jantar acabou, apenas sei que acabou bastante tarde e com a certeza de que deixamos boa impressão ao Sr. Nicolau das gentes Samorenses.
No Domingo combinamos participar num passeio em Verim em Espanha, mas a chuva nesse Domingo era tão forte que resolvemos cumprimentar o pessoal espanhol e regressar a Faiões.
O Sr. Nicolau levou-nos então para uma visita guiada a Faiões, onde almoçámos no restaurante "Manco". Mais uma vez comemos mesmo muito bem. Comemos umas belas postas de carne barrosã acompanhada com batatas a murro, salada, arroz e uma bela vinhaça da casa. De facto, nesta região come-se mesmo muito bem.
Para concluir, aproveito para deixar uma palavra de agradecimento pela simpatia e hospitalidade, com que os sogros do Zé nos receberam em sua casa.
A reter, aqui ficam algumas frases do nosso querido anfitrião:
-"Ó mulher os rapazes gostam é de vinho!"
-"Não fumas, não bebes. Não comes, não.....", o melhor é ficarmos por aqui!

Grande abraço,

Sérgio

domingo, 25 de outubro de 2009

O GRANDE SALVAMENTO.

By Carlos Fernandes

Embora tenha chumbado na cadeira de cronista vou aventurar-me a mandar umas bocas sobre o passeio de domingo 25.10.09.

À partida do ringue da Esteveira éramos 8 elementos: Carlos Fernandes, Charbel, Vasco Parreira, João Aires, Miguel Paiva, Daniel Brites, Rui Rodrigo e o Bruno que é amigo do Daniel e por sinal um bttista bem preparado.
É de destacar que pela 1ª vez o presidente apareceu às 8h, minto 8:10h afinal mesmo mudando a hora não consegue cumprir horários como qualquer cidadão normal faz.
Passados alguns kms são detectados mais 2 atrasados (o Alcides e o Vasco, um novo elemento), que provavelmente não tinham dado conta da mudança da hora.

video

Depois do grupo ter passado a 10 elementos arrancámos rumo à aldeia do peixe tendo encontrado pelo caminho o Sr. Domingos que fazia o seu treino isoladamente com rodas de estrada.
O ritmo imprimido era simpático ao ponto de a dada altura o Vasco Parreira ter soltado um desabafo que iria participar na maratona de Grândola nos 80 kms, é obra!!! Eu não fazia melhor… No entanto no desenrolar do percurso o jovem afoito lá caiu na real e soltou um contra-desabafo dizendo que já tinha desistido de Grândola.
Este passeio teve também um momento para a prática da boa acção diária. O Charbel com o seu olho clínico detectou um descalço de raça canina, esfomeado e com o cromado todo riscado dentro da vala praticamente vazia de água. O Miguel Paiva demonstrando uma invejável iniciativa e disponibilidade descalçou-se e desceu para o fundo da vala para salvar o tal descalço, manifestando com tudo algum receio pois o bicho tinha o cromado bastante danificado e dava a entender que poderia ter alguma doença de pele. Mas lá se aventurou entregando-o ao Alcides que já estava na posição de ajuda no degrau lateral da vala.
Na tentativa de lhe aliviar a dor de estômago foi servido ao descalço uma barra de cereais que apreciou efusivamente e um cubo de marmelada ao qual não passou patavina!
Alerto para algum vocabulário menos próprio, mas nada de muito grave, eh, eh, eh!

video

Arrancamos de seguida para o resto do percurso. A dada altura o Vasco Parreira como tinha desistido de Grândola encurtou o caminho e foi mais cedo tomar banho. Os restantes alargaram um pouco mais a volta num percurso total de 72 km.
No próximo filme o vocabulário piorou a olhos vistos, pelo que se desaconselha a pessoas mais sensíveis!

Let´s look at the trailler......

video

Uma palavra para o Rui Rodrigo que regressou após prolongada ausência e portou-se muito bem.

Foi uma volta bem porreira que deu para deixar as pernas à rasca!


Um abraço,


Carlos Fernandes

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Passeio de BTT "Trilho Vale Cobrão" 18 Outubro 2009


No passsado Domingo efectuou-se o passeio de BTT da CMB "Trilho Vale Cobrão" nos terrenos da Companhia das Lezirias, infelizmente não tenho matéria para fazer a crónica, ou melhor dizendo, só tenho aspectos negativos e não queria reflectir isso na crónica (mas fui obrigado!!!).

Face a minha má disposição não usufrui do passeio, tendo sido efectuado sempre em esforço e praticamente na cauda do pelotão. Os últimos 15Km foram percorridos na carrinha da organização.



Quantas pessoas participaram? O trajecto foi porreiro? Foi dificil?
Pois... não sei! Estava ocupado a tentar decidir se devia vomitar, chamar o INEM, esperar pela carrinha vassoura... eheheh

Nota: Esta crónica foi "ligeiramente" alterada pela Direcção do CBTT TL mas em nada retira a verdade dos factos nem sequer exagera um pouquinho!

Abraço,

Vasco

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Montanha Russa em Alhandra

by João Marçal

No passado dia 17 de outubro, levei a maior tareia de btt da minha vida.
saímos de Samora ás 7.30h indo ter com o zé Carlos a casa dele no Porto Alto, eu , o Hugo, o Miguel Pavia, daqui fomos para Vila Franca de Xira onde apareceram mais colegas de Benavente num total de 11 elementos.
Deixamos os carros, subimos pelo Bom sucesso em direção aos... Himalaias !!!
Não eram , mas mais pareciam pois as subidas e descidas eram tantas e tão inclinadas , que sempre que subia benzia-me , pois não sabia se iria precisar de ajuda do divino.....
Habituado a rolar, apanhei um valente susto nesta montanha russa diabólica, em que quem tiver força nas pernas é rei e senhor, mas não é o meu caso.
Algumas subidas tiveram de ser a pé pois eu não estou habituado a .....montanhismo de bicicleta...???? A pois é !!!
Foram 61 km no sábado, em que 38 foram de btt duro, e os ultimos 23 de estrada rápida, cerca de 30 km/ horas de regresso até Vila Franca.
É claro que aqui o pessoal já estava todo roto e grande parte do pessoal veio mais atrasado, eu aqui senti-me bem , pois é o meu habitat natural e ainda vi abrir com o HUGO e o Zé Carlos .
O pessoal está a precisar de uns treinos destes para começar andar a sério.
um abraço e boas pedaladas

João Marçal

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Rescaldo Muge 11.10.09

By Charbel


Olá Bttistas e amigos,

No passado Domingo realizamos a nossa volta em Muge, a convite da nossa delegação regional de Muge, na pessoa do bttista Pedro Romão.
O resultado foi fantástico, pois o pelotão era constituído por 28 bttistas, um número muito elevado se tivermos em conta que se tratou apenas de mais um treino.
Para além dos membros do CBTTTL, onde se incluem os membros das nossas delegações regionais de Muge, Lisboa e V.F.Xira, contámos com a presença dos nossos amigos de Benavente em representação dos Serviços Sociais da GNR, do Motoclube de Lisboa, da secção de BTT da AREPA, e ainda de outros amigos de Lisboa, Azeitão, Carregado e também de Muge.

A rua onde habita o nosso amigo Pedro Romão, nunca terá recebido tamanha concentração de bttistas. Com efeito, a nossa presença provocou o caos nesta artéria da pacata localidade ribatejana. Os vizinhos decerto ficaram espantados com tamanha azáfama de carros e bicicletas. Também a sua esposa deve ter ficado estupefacta com o facto do Pedro ter tantos amigos bttistas!

video

O ambiente era idêntico ao de um passeio organizado, mas este era realmente desorganizado, eh, eh, eh!
O início esteve quase comprometido, uma vez que as portas da carrinha do Sr. Presidente encravaram, impossibilitando o acesso a algumas bikes. O que valeu foi que o Sr. Presidente recorreu aos seus dotes de contorcionista, e qual serpente, através de uma porta lateral lá conseguiu resolver o assunto.

"Let´s look at the trailler"….

video

Ultrapassado este pequeno incidente, o pessoal preparou-se para a foto de grupo.















É claro que um tão grande número de bttistas, implica mais confusão, exigindo uma atenção redobrada. A ideia era efectuar o trajecto de uma anterior volta, pelo que a utilização do GPS do Carlos Fernandes e do Paulo Vasconcelos, se revelou preciosa, até porque o nosso anfitrião não podia estar em todo lado.
Apesar de tudo não se verificaram grandes problemas, apenas se notou a diferença de andamentos entre os participantes. Com tanta gente era natural que assim fosse, no entanto alguns elementos não tinham preparação mínima, pelo que muito cedo começaram a sofrer as consequências.
Assim o melhor mesmo era desfrutar da paisagem e encarar o treino apenas como um agradável passeio.

video

A dada altura atravessámos a linha do TGV, onde aproveitámos para reunir o grupo. Enquanto tal acontecia, lá andava o Miguel Paiva de um lado para o outro, sempre a pedalar, sempre a pedalar, o homem até enerva!

video

Mas temos mais uns videos de uns locais porreiros por onde passámos e um deles está censurado pois alguém recorreu ao português vernáculo, susceptivel de ferir sensibilidades, eh,
eh, eh! - Video censurado (não se ouve nada, claro, mas fica à vossa imaginação...)

video

Por motivos técnicos não nos foi possível colocar "pis", pelo que o melhor mesmo foi cortar o som!

video

Os primeiros quilómetros foram muito suaves e à base de estradões e de vez em quando lá vinham uns “vipes” e o pessoal desatava a pedalar como se não houvesse amanhã. Foi o que aconteceu num estradão enorme de terra batida onde o pessoal fez um sprint colectivo e “tresloucado” imagine-se, a 42 Km/h!!!??? Pena é que no final tenhamos constatado que nos havíamos enganado pois só deveríamos fazer alguns metros do tal estradão e não Km´s, eh, eh, eh!

video

Só na segunda metade do trajecto é que se sentiram algumas dificuldades, provocadas por algumas rampas de cascalho. A mais complicada obrigou mesmo o pessoal a desmontar a meio. A dada altura quando aguardávamos a chegada de um grupo mais atrasado, assistimos a um duplo “tralho” de dois motociclistas de ali faziam Motocross.

video

Não vemos o momento mais interessante (a queda), mas fica o registo possível.

No final, o ritmo foi mais puxado, um pouco a compensar o suor que não abundou no resto da volta. Ia tudo doido, mas volta que é volta tem que ter furos e alguns tralhos pelo meio, pelo que esta não fugiu à regra.
Até o Sr. Presidente “deu nas vistas” ao atirar-se para a areia, no entanto teve mesmo muito azar, pois conseguiu acertar com um joelho numa pedra, que quase o “mandou” para o estaleiro.
Pior sorte teve um amigo do Pedro. O homem já vinha de rastos e ainda por cima perto do final e numa descida sem perigo aparente, saltou-lhe o pneu da jante devido a um furo e “tralhou” de forma aparatosa, de tal modo que suspeitámos que tivesse fracturado a clavícula.

Nesta altura, quase todos haviam chegado junto dos carros, e o Pedro Romão foi de imediato buscar o colega de carro, visto que este apresentava muitas dores, que o impossibilitavam de prosseguir de bike. Faltavam ainda cerca de 10 km para o final, pelo que o homem necessitava mesmo de ajuda. Não fora este último episódio e tudo teria corrido lindamente, felizmente que foi menos grave, mas certamente que vai ter que parar por uns tempos. Desejamos-lhe as rápidas melhoras.

Em nome do CBTTTL, agradecemos a presença de todos os participantes.

Até breve,

Abraço,

Charbel

P.S.-Dentro em breve será facultado o acesso às fotos.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

O baú. - 17/04/2007

Olá Bttistas,

A recente acusação de que fui vítima (ir ao baú), por parte do nosso ilustre colega Hélder, teve o condão de me motivar na recuperação das nossas crónicas e notícias anteriores à criação do Blogue. Por coincidência, em muitos desses tesourinhos, um dos principais visados é.....imaginem quem? Sim, acertaram, eh, eh, eh....

Assim, tenho o prazer de inaugurar este novo "projecto" paralelo que se encontrava na gaveta.
Esta pequena notícia é datada de 17/04/2007 e retrata um acontecimento inédito, quando o colega visado dava ainda os seus primeiros "passos" na modalidade, aqui vai:

Título: Rescaldo da Maratona da Barragem de Magos / Foto inédita
Boa tarde amigos Bttistas,

Eis a prova que faltava! Isto foi o que aconteceu ao nosso amigo Hélder no Domingo (ao Km40?).




Os organizadores afirmam que este acto tresloucado, foi causado deliberadamente e sem motivo aparente!
Uma testemunha ocular afirmou à posteriori:
- "Epá! Ê estava aqui sentado num chaparro, pescando mêsme, mêsme, à bêrinha da Barragem. Di repente vi o moço a ser ultrapassado por um gaito de 11 anitos. Nã sê o que lhe passou pela cabeça, o moço atirou-se pa dentro da barragem.
Ê cá nã percebi se foi uma câimbra, se foi com os nervos que o moço se atirou......só sê
dizeri que ele nã se calava, ai a minha baiqui ai a minha baiqui nova......ê cá nã percebi nada porra!" -

Sim é verdade, temos que ser solidários para com o nosso amigo! Logo na estreia da sua nova bike, tinha que tralhar.....tá mal! Eh, eh, eh,eh............
Para demonstrar a minha solidariedade, no próximo fim-de-semana vou participar com ele no passeio da junta.

Ah! E mais, o meu filhinho Simão de três anos também vai na sua bike com rodinhas. Estou convencido que "eles" vão aguentar, ah, ah, ah, ah, ah, ah, ah,ah,........................

Abraços,


Charbel


Este episódio era apenas mais um que viria a caracterizar o modo como o nosso amigo Hélder, estava na modalidade, ou seja, sempre a "tralhar". Claro que se registaram alguns progressos. Eu próprio fui responsável pela entrada dele no mundo do BTT, ajudando até na sua aprendizagem. Acto irresponsável dirão uns, acto de misericórdia dirão outros, visto que o ajudei a integrar-se mais facilmente neste "universo".

Enfim, para todos os efeitos foi connosco que ele aprendeu a andar de bike e a superar a barreira do Km 40! Apesar da sua aparente forma física, ele sempre dava o "estoiro" ao Km 40!

Felizmente que esses tempos já lá vão.

Obrigado e bom dia!


Fui.....

Charbel

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

AIR RACE À MODA DE SAMORA!

Olá bttistas,


Como já será do conhecimento geral, o nosso grandioso clube, destaca-se por ser multi-facetado! Sim, de facto temos de tudo o que é actividade desportiva para além do BTT.

E agora perguntam vocês: -Mas.....que diabo! O que será que ele está a inventar desta vez? - Eu? Nada. Eu nunca invento! Tudo o que aqui é relatado, é a pura realidade e qualquer semelhança com a ficção será pura coincidência, eh, eh, eh! Confusos? Eu passo a explicar.

Decerto que alguns de vós já terão notado as ausências do nosso amigo Hélder! Pois é, pois é. Agora tudo se tornou claro.

"Let´s look at the trailler", eh, eh, eh.....

video

Chocados com a minha descoberta? Pois é meus amigos, ele andava a treinar para esse grande evento designado por: "AIR RACE NA LEZÍRIA".

Agora percebo porque razão os professores passavam o tempo a dizer que ele era um "cabeça no ar".

video

No próximo filme, podemos facilmente verificar que ele tenta esconder a cara, quando se apercebe da minha presença. De nada adiantou, pois as imagens são nítidas e podem comprovar a minha afirmação, eh, eh, eh!

video

Como podem imaginar corri sérios riscos na recolha secreta destas imagens, mas valeu a pena.

video

Assim, revelo ao mundo esta nova faceta do nosso amigo Hélder, que explica a sua tão prolongada ausência, junto dos seus colegas do CBTTTL, eh, eh, eh.... É a loucura meus amigos, espero que se tenham divertido tanto quanto eu. Foi um prazer.

Ok, ok, não é preciso agradecer.

Por hoje é tudo, até breve!

Fui...........

Charbel

BBC VIDA SELVAGEM

Olá a todos,


Aaaaaah, pois é! Para os mais distraídos, informo que a selva está mesmo aqui à porta!

Nem o famoso David Attenborough, da BBC, poderia suspeitar de tal facto, mas eu explico.

No passado dia 6 de Setembro, fui fazer o circuito de Belmonte com o Fernando Ferreira e com o estreante Rui Barbosa. Aproveito para vos informar que o homem é rijo e até acho que tem um bom potencial, que melhoraria substancialmente se ele decidisse deixar de fumar e por outro lado deixasse de insistir em utilizar a pedaleira grande em tudo o que é subida que lhe aparece pela frente.

Quando digo teimosia até que estou a ser simpático pois o homem até faz nervos, eh, eh, eh! Nas piores (melhores) subidas de Belmonte era vê-lo a ficar para trás. Quando eu e o Fernando atinjiamos o topo e lhe dizíamos para utilizar mudanças mais leves, o homem fazia "orelhas moucas".

A sua teimosia era tal que até lhe gritava: -Pá para que é que os homens inventaram as mudanças se tu não as utilizas?- Mas enfim, mesmo quase parado e a sofrer o homem lá foi subindo!

É no regresso que começámos a "inventar", pois na saída dos arrozais mesmo antes do início do alcatrão que dá acesso ao cruzamento do estádio do Samora, que decidimos virar à direita e explorar o terreno, na expectativa de encontrar uma passagem junto ao rio.

Eis o resultado:



Era a selva, meus amigos! Mesmo às portas da cidade, lá está ela e parece que todos a ignoram, assim como o perigo que ela encerra, eh, eh, eh.....

Na foto seguinte, podemos constatar que já me desenvencilhei das entranhas da selva e já me encontro na companhia do Fernando!



Em relação às espécies lá existentes nada irei adiantar! Basta que vejam os próximos episódios de BBC VIDA SELVAGEM, eh, eh, eh!


Fui...........



Charbel

terça-feira, 6 de outubro de 2009

O Rouxinol tímido.

Olá amigos,


No passado Domingo, o nosso grandioso clube teve a honra de poder reunir alguns dos seus mais ilustres membros, para mais um agradável passeio!
É verdade, o pelotão era constituído por mim, pelo João Marçal, João Aires, Sr. Domingos, Vasco, Sérgio, o nosso amigo Tiago e imaginem quem mais………….o maior, o magnífico, o imbatível, o campeão ……….. ok, ok, já vou dizer quem……..o grande Zé Carlos!
Sim, em carne e osso, meus amigos! É caso para dizer que “bom filho a casa torna”, tal foi o seu período de ausência, junto de nós. O facto de ele participar em tudo o que é Maratona em Portugal, a par dos seus duros treinos em altitude e em locais inóspitos, retiram-lhe tempo para andar connosco, comuns mortais, eh, eh, eh…..
Depois de tantos elogios, pode ser que ele já me tenha perdoado o facto de lhe ter chamado “cromo”, eh, eh, eh! De facto no Domingo, afirmei que tínhamos os cromos todos connosco, mas não foi com intenções menos próprias, quando utilizei esse termo era no sentido positivo da coisa. Todos nós quando éramos crianças coleccionamos os ditos cujos e os "cromos" mais difíceis eram os mais desejados, porque por norma eram os melhores, ok? Será que me safei desta? Hummm, não me parece, eh, eh, eh!

Voltando à nossa volta, informo que na véspera havia formado dois grupos, um para estrada e outro para BTT. O de estrada iria ao encontro do Paulo Magalhães, do Clube “Rasga Trilhos”, em Vila Franca de Xira, para depois seguirmos até à Arruda-dos-vinhos. Acontece que o Magalhães “abortou” a volta avisando-me via SMS, logo de manhã cedo. Ao chegarmos todos à Esteveira, fomos "brindados" com a presença do grande Fernando Costa, que nos foi cumprimentar, vindo directamente da “nigth”???!!!! Ganda maluco!
Foi então que o pessoal me desafiou a mim e ao Aires a trocar de bike e ir fazer BTT. O Fernando prontificou-se a emprestar a sua magnífica KTM de carbono ao João Aires, permitindo assim que fossemos todos fazer BTT. E assim, lá fomos em direcção à minha casa (que fica mesmo em frente à casa do Nando) para trocar de bike. O pessoal aproveitou para repor o ar dos pneus e lubrificar correntes.
Tal foi a “algazarra” que até os meus “Gremlins “ acordaram. Pois é, o mais difícil foi explicar à minha filhinha de quatro anos, que o barulho que vinha do jardim não era de um monstro, mas sim de um colega do papá, que tinha uma voz…..como direi…..um bocadinho mais grossa do que as pessoas “normais”, eh, eh, eh! Sim, é isso mesmo que estão a pensar, era a voz de “trovão” do Zé Carlos, eh, eh, eh…

Já em plenos trilhos da lezíria até dava gosto ouvir o nosso amigo Zé Carlos a cantar ópera, um verdadeiro Tenor. É verdade, o homem estava certamente muito feliz por voltar a andar com os colegas do CBTTTL. Estava eufórico, mas infelizmente é tímido, muuuito tímido! De cada vez que eu tentava registar o seu belo canto, ele de imediato se calava, conforme poderão constatar na curta-metragem.


video


Pois é, como puderam verificar o homem é tímido e não há nada a fazer!
Depois de atravessarmos a ponte pedonal entre Benavente e Salvaterra o pessoal parou. Tratava-se do selim da KTM que estava demasiado baixo para o Aires, não permitindo que disfrutasse em pleno da sua "nova" montada, e não foi nada fácil levantá-lo pois estava literalmente colado.
A seguir abastecemos na Aldeia do Peixe e tornámos a seguir pelo canal, onde um pouco antes de este terminar, o Sérgio presenteou-nos com uma fulminante incursão pelos bosques circundantes onde apanhámos uma subida daquelas que moem, assim como muita areia. Mas quando utilizo a palavra “fulminante” é apenas porque o local se encontrava “infestado” com caçadores, eh, eh, eh! Era ver o pessoal a pedalar como se não houvesse amanhã, eh, eh, eh! Quando descemos a mesma encosta, deparámo-nos com uma descida perigosíssima cheia de areia e cascalho, daquelas que depois de iniciarmos não há volta a dar é sempre a abrir pois os travões de nada servem. Mais ou menos a meio dessa descida e após vislumbrar o Tiago a fazer um “slide” que quase o fez “tralhar”, acertei em cheio num pequeno tronco de um eucalipto que só não me partiu a mão porque lhe acertei com o extensor! Viram bem? Aqui ficava mal dizer que lhe tinha batido com os cornos, nome que vulgarmente se dá aos extensores, eh, eh, eh.
Após o Aqueduto surge de novo o fantasma dos furos. Desta vez foi o pneu traseiro do Sérgio que sofreu um furo de tal modo grave que nem a sua câmara-de-ar anti-furo lhe valeu.
“Let´s look at the trailler”, eh, eh, eh…….



video


Perdoem-me os mais perfeccionistas, pela má qualidade do filme que não permite a visualização dos enormes peixes ali existentes. Garanto que é digno de se ver.


Enquanto o pessoal se debatia com o problema do furo, o Vasco já fazia uma birra desgraçada, para ir para casa, pois tinha de chegar antes das 12H00. Como já não o podíamos ouvir e ele estava a incomodar os mecânicos de serviço, decidi ir com ele, sempre por alcatrão e a mais de 30 km/H!!!!!!! Na verdade eu também já estava a “queimar” o meu horário.
O restante grupo acabou por chegar a Samora cerca de 15 minutos mais tarde, numa volta com cerca de 60 KM.


Por hoje é tudo e até breve!



Charbel